Mensagem, Noticias

Reflexos de um Advento e Natal

 

Nesse advento e Natal me deixei conduzir pela confissão de Maria: “Ele se lembrou de mim, sua humilde serva” (Lc 1.48a)  Não há palavra mais própria do que essa para a época que estamos vivendo. Essa palavra de Maria já havia me marcado, mas esse ano soa de modo bem especial. Não há como ignorar o crescimento da violência física e verbal na nossa sociedade, o aumento significativo do preconceito contra identidade de raça, gênero e situação econômica. Tudo isso alimentado pela meritocracia, eficiência e sobrevivência do mais apto e forte, beirando à bestialidade. Continuamos presenciando as pessoas correndo desesperadamente atrás do mercado religioso, buscando o atendimento de desejos, seduzidos para a superficialidade e banalização de valores, da instrumentalização da Bíblia, do uso de Deus moldado aos desejos de cada um. Nessas condições Deus não é Deus. É simplesmente um ídolo criado a imagem do ser humano. E isto está longe da expressão de fé dada por Maria.

No Advento e Natal esperamos que Deus se manifeste entre nós. Deus vem ao nosso encontro. Não precisamos moldar Deus. Ele é como é. É o tempo para que Deus se mostre a nós como Ele é e como Ele quer ser visto por nós. Lutero já afirmava: para conhecer Deus basta olhar para a vida de Jesus. Ali Deus se revela. Todo o resto é especulação. E tudo que é especulação é desvio de Deus. Assim temos o que precisamos. Essa é a intenção do cântico de Maria. Apontar à comunidade cristã o que importa e o que é central para a vida dela. Maria é aqui cada um e cada uma de nós nesse tempo de espera.

Maria canta para Deus uma canção de louvor e gratidão.  Maria se considera abençoada: “Pois Ele se lembrou de mim, sua humilde serva”. E é isso que Maria é. Deus se lembrou dela. Não conquistou nada, não mereceu nada, não comercializou nada com Deus. Deus simplesmente viu Maria e se lembrou dela. Mãe solteira, jovem, sob o risco de ser abandonada por Jose, seu pretendente. Maria que conseguiu crer no mistério de uma gravidez incomum. Quem vai acreditar nisso? O que não devem ter dito os moralistas e os puritanos de plantão? E o risco de Maria, que poderia ser acusada de adultério e assim ser condenada a pena de apedrejamento? Maria sente-se abençoada, pois vivencia uma experiência de graça e por graça de Deus. Não é algo pelo qual Maria tem que pagar um preço ou o dízimo. Dar para então receber em dobro de Deus, provar a sua fé. Ela não precisa pagar um preço com orações intermináveis, apelativas e sentimentalistas, buscar desesperada pela santificação com hora marcada para a conversão e quem sabe uma experiência espiritual mais forte. A experiência espiritual mais forte de Maria é a notícia de sua gravidez pelo Espírito Santo. Não é uma luta angustiante pela benção que nunca vem. Deus abençoa do seu jeito. Faz Maria sentir-se abençoada e cheia de vida e alegria. Maria expressa a sua fé e confiança em Deus afirmando que é uma serva do Senhor. Diferente de todos que querem manipular Deus, que exigem que aconteça o que desejam.

O cântico de Maria tem fé, louvor, maternidade profética e cidadania. Não é uma mãe tão somente ocupada e preocupada consigo mesma e apenas com o seu futuro filho. É uma mãe que desperta, coloca os olhos no mundo para dentro do qual vai nascer o seu filho. Para esse mundo ela dirige uma palavra profética, uma palavra cheia de esperança e cidadania. Ela tem coragem de dizer a si e ao mundo o que almeja e pelo que luta (Lc 1.51-53). Como mulher oprimida (jovem, grávida e solteira) ela toma o direito de dizer a sua palavra, o direito de pronunciar a sua opinião, seu desejo, seus sonhos, o que faz parte de tudo o que pertence ao sustento e as necessidades da vida. Quem de nós consegue expressar na sua vida tamanha expectativa e novidade de vida, observada e feita uma leitura da realidade de nossa sociedade?

Enquanto muitos esperam receber privilégios e terem atendidos os seus desejos de prosperidade e consumo, Maria assume o papel que Deus lhe dá. Torna-se serva da causa de Deus, profética e portadora de esperanças dos empobrecidos e humildes.

Sejam abençoados os últimos dias de Advento e um comprometido Natal.

Renato Küntzer

Coordenador Nacional da PPL.

 

Noticias, Posicionamento

Manifesto São Leopoldo  

Em memória do P. Valdir Frank (1954 – 2016)

             “Buscai o bem e não o mal, para que vivais”. (Amós 5.14)

Vivemos tempos difíceis em nosso país. A democracia está ameaçada. Recentemente o país passou por uma ruptura democrática, as instituições políticas estão fragilizadas e desacreditadas e a participação popular direta é desprezada e reprimida. Vemos a desigualdade social, a pobreza crescendo novamente, enquanto a educação e a saúde pública vêm sendo ameaçadas. A previdência pública e a CLT estão em debate, enquanto a retirada de direitos é explicitamente defendida pelo atual governo, em nome de um ajuste econômico ameaçador. O agronegócio segue pautando a defesa do latifúndio e o uso exacerbado de agrotóxicos ameaça a vida de milhares de pessoas e traz danos irreparáveis ao meio ambiente. Os povos indígenas são cada vez menos respeitados, enquanto seus direitos culturais e territoriais são crescentemente prejudicados. A violência contra mulheres e o assassinato de jovens têm classe e cor – pessoas empobrecidas, negras e negros. A IECLB é parte da sociedade, de tal modo que também na base das comunidades as dores e os sofrimentos causados por violências e desigualdades se fazem sentir das mais diversas formas. Essa realidade questiona a nossa fé e o nosso papel público. Por isto – como Igreja alicerçada no Evangelho da graça e do amor libertador – precisamos retomar a nossa tradição recente de denunciarmos todo e qualquer retrocesso democrático que implique perda de direitos políticos e sociais. Só assim teremos credibilidade pública para anunciarmos esperança em meio a esses tempos sombrios no Brasil e no mundo.

Nesse contexto complicado, nos encontramos em São Leopoldo, no dia 28 de novembro de 2016, na Faculdades EST, convidadas pela Pastoral Popular Luterana, com o apoio da Fundação Luterana de Diaconia, pessoas oriundas de distintas comunidades e setores da IECLB, para refletirmos sobre este momento e o nosso papel como pessoas de fé, cidadãs comprometidas com a justiça, a dignidade humana e de toda a criação. Escutamos as falas da Pastora e professora de antropologia Lori Altmann e dos ex-Pastores Presidentes Gottfried Brakemeier e Walter Altmann que fizeram um resgate da presença e do papel público da IECLB nas últimas décadas.

Evidenciou-se, mais uma vez, que política é luta pela vida, pela liberdade da pólis. Entendemos que a participação política é diaconia transformadora, é uma ação e um serviço cristão para a transformação da sociedade. Política não pode ser reduzida à política partidária. O amplo diálogo democrático é o único que garante o exercício da cidadania, como prevê a Constituição Cidadã de 1988. Como pessoas crentes, de confissão luterana, concordamos que não cabe a uma igreja ou às pessoas que professam a fé cristã propor soluções para os graves problemas políticos do país. O que lhes cabe, sim, a partir do Evangelho, é apoiar, fomentar e insistir nas lutas das pessoas e de todos os movimentos sociais que buscam a justiça, a vida digna e o bem do povo. Como escreveu a Presidenta da Conselho da Igreja, Dra. Ema Marta Dunck Cintra, em seu relatório ao XXX Concílio da Igreja realizado em Brusque/SC, em outubro passado:

“Precisamos, mais do que nunca, por meio do Evangelho, humanizar homens e mulheres coisificados e somente valorizados naquilo que se refere ao lucro econômico que podem trazer à sociedade. Precisa-se reafirmar […] a confiabilidade na palavra da nossa IECLB, afirmada no Evangelho de Jesus cristo, que pregou a paz, o amor, a solidariedade e a dignidade de todas as pessoas e para todas as pessoas. Esta deve ser a nossa luta: promover a justiça social e a dignidade para todos os filhos e as filhas de Deus”.

As distintas formas de violência e exclusão afetam a vida das pessoas e a própria democracia. A polarização e a falta de diálogo na sociedade, de modo geral, mas também na IECLB, questiona nossa vida comunitária e desafia-nos conjuntamente para uma reflexão mais amadurecida e de muita escuta mútua. Isto nos convoca para momentos de conversa e construção coletiva, para que possamos encontrar, junto com nossas comunidades e grupos organizados, caminhos de esperança. Só assim será possível avançar em comunhão solidária. Reiteramos que o diálogo construtivo, porém, necessita de mecanismos e processos que incluam todas as pessoas através de metodologias de aproximação e mediação entre propostas e grupos plurais.

De nosso debate franco e respeitoso, extraímos propostas para continuarmos nesta busca urgente e necessária:

  • Reafirmar o papel da igreja de Jesus na sua opção pelas pessoas empobrecidas e vulneráveis;
  • Animar pessoas e comunidades com palavras firmes e alentadoras diante das incertezas e sombras que se abatem sobre o nosso país;
  • Fortalecer por vários meios os valores democráticos da paz, da justiça e do cuidado com a vida das pessoas e do meio ambiente, criação do Deus vivo;
  • Priorizar na vida comunitária a relevância do cuidado com as fontes de água e a defesa da segurança alimentar para todas as pessoas;
  • Providenciar metodologias práticas para trabalhar com grupos de base na igreja as questões aqui levantadas, favorecendo o diálogo com todos os grupos interessados sem discriminar quem quer que seja;
  • Favorecer espaços específicos para a participação da juventude;
  • Reforçar a conexão entre a vida comunitária e a sociedade, de tal modo que as pessoas assumam no cotidiano suas responsabilidades como cidadãs e membros da igreja;
  • Incentivar a criatividade litúrgica e o uso de símbolos nas celebrações comunitárias, bem como uma espiritualidade dinâmica e aberta aos dons do Espírito de Cristo;
  • Incentivar o fortalecimento de uma rede de solidariedade na IECLB (PPL, FLD, CAPA, COMIN, CML, Fórum de Mulheres da IECLB, e outros setores);
  • Incentivar as propostas de educação popular (materiais pedagógicos, produção artística, teologia popular) em todos os âmbitos da igreja, que inclua crianças, adolescentes, jovens e pessoas adultas, nas comunidades e grupos de serviço;
  • Tomar consciência de que – no discipulado de Jesus – somos enviados ao mundo para ser sal da terra, luz do mundo e fermento transformador (Mateus 5.13s; 13.33).

Em solidariedade fraterna sorória, assinam

PPL – Pastoral Popular Luterana  e FLD – Fundação Luterana de Diaconia

São Leopoldo, 28 de novembro de 2016.

Mensagem, Noticias

Sobre a Esperança

Carlos Rodrigues Brandão

 

 Sobre a Esperança
Mensagem para encerrar 2016 e esperar um “Ano Novo”

Há quem dentre nós talvez diga neste fim-de-ano: “este foi um ano para esquecer”.
Nenhum ano é para ser esquecido. Nenhum mês, nenhuma semana, dia ou minuto.
Recebi – como imagino que toda a gente recebeu – um sem número de mensagens sobre os “tristes acontecimentos de 2016”. Vários deles foram, crítica e corajosamente, bastante justos e necessários. Eu mesmo, em outro tom escrevi um deles. O longo escrito a que dei este nome: Viver sem temer.
Não quero fazer desta mensagem de final de ano (uma velha prática de longos tempos) mais um dos documentos de “análise da atual conjuntura”. Não quero trazer a tanta gente amiga e querida uma mensagem mais de olhar crítico sobre a política e a economia “deles”, junto com o peso de seus efeitos sobre todas e todos nós e, sobretudo, sobre mulheres e homens do povo. Dos muitos povos com quem convivemos de perto ou de mais longe. Lembro sempre nessas horas o que um dia Jean-Paul Sartre escreveu: “Uma coisa é o que fizeram de nós. Outra coisa é o que nós fazemos do que fizeram de nós”. Esta não é, portanto, uma mensagem de crítica a respeito “deles”. É uma mensagem de realista esperança em e sobre “nós mesmos”. Venho de lugares, venho de rostos, venho de gestos e de pessoas ao longo de 2016. E é a lembrança deles e delas o que me leva a escrever esta mensagem.
Venho de uma Escola Popular em um Assentamento do MST no Sul da Bahia. Venho de professoras de escolas dos “sem-terrinha”, e venho de famílias que no assentamento vizinho haviam acabado de receber os seus “lotes de terra”, e entre o temor e a esperança transportavam para eles os seus poucos trastes. Todos eles juntos, e mais os lotes de muitas terras conquistadas pelos camponeses do Brasil afora, são bem menores do que um único latifúndio das empresas do agronegócio. As mesmas que sobre as terras férteis do Sul da Bahia semeiam desertos de eucaliptos. Venho do Norte de Minas. Venho de Montes Claros e de encontros que aproximaram gentes de universidades, como eu, e pessoas de práticas populares. Pessoas de pele escura, entre indígenas e quilombolas, ao lado de homens e mulheres camponesas, povos do cerrado, da floresta e das águas. Pessoas que começam os seus encontros e congressos entre preces e “místicas” com as mãos abertas; e os encerram agitando para o alto, punhos erguidos, e gritando as palavras que deveriam calar os que fizeram do Brasil o que ele tem sido nestes tempos.
Venho de uma gente que em Passo Fundo reúne-se há anos para pensar e praticar coletivamente alternativas de uma “educação para a paz”, quando poderia estar encerrada em seus escritórios, escrevendo outro artigo destinado mais a aumentar um currículo vitae do que a dialogar com quem educa crianças, jovens e adultos no “chão da escola”. Venho de pequenas comunidades tradicionais do Espírito Santo. Ali, onde indígenas Tupiniquins e outros povos resistem como podem a nada menos do que à Aracruz, e a outras poderosas empresas do agronegócio. Lugar onde professoras da Universidade Federal e de Centros e Institutos Tecnológicos (mas profundamente humanos) tentam criar com jovens estudantes vindas “da roça” uma pedagogia da terra a serviço de uma transgressiva educação do campo.
Venho de “fábricas ocupadas” por operários da Argentina, e venho de “Bachileratos Populares” entre Lujan e Neuquén. Lugares de pobres onde, às vezes entre caixotes de madeira e toscas mesas improvisadas. jovens e adultos se reúnem para reaprenderem a ler e a pensarem juntos uma “outra história” do País e do Continente.
Venho de presos políticos. Em Medellín, depois de atravessar três portões trancados a cadeado cheguei na “Penitenciaria del Estado” a um local coletivo onde uma pequena equipe de presos políticos do Exército Popular de Libertação sonha inaugurar uma “Universidade Popular”. Venho de povos andinos que em suas línguas arcaicas nos desafiam a deixar de lado o mercado e viver a vida. E nos sussurram: Sumak Kawsay e os outros nomes que querem todos dizer uma mesma ideia: viver a “vida boa”, um “viver bem” solidário, oposto em tudo à “boa vida” com que o capital e a sua mídia nos mentem entre as mesmas falsas promessas de sempre.
Venho de tanto em um só ano. E bem sei que venho de apenas uma ínfima fração das vivências coletivas, dos momentos populares de insurgência, da persistente reconstrução de grupos de base, e de ações das quantas comunidades tradicionais e também dos movimentos populares. E venho também da presença ativista e solidária de instituições de apoio a alternativas e iniciativas de uma pluri-transgressão emancipadora. Venho de pessoas com quem aprendo a cada dia a calar o que sou, penso e possuo, para descobrir com elas a viver bem mais da esperança do que do medo.
Lembro que no dia 31 de agosto deste ano encerramos o Colóquio Internacional de Povos e Comunidade, em Montes Claros, com uma Passeata dos Mártires. Foi quando escrevi o texto “Viver sem temer”. Caminhamos ao redor de uma grande praça levando pequenos estandartes de mulheres e homens que nos últimos anos, apenas naqueles “sertões do Norte”, haviam sido mortos lutando por terra, território, justiça e liberdade.
Quase ninguém veio presenciar a nossa “caminhada”, e ouvir os nossos cantos e os gritos de nossas memórias. Televisão alguma estava presente e “canal” algum noticiou o que se vivia ali. Mas enquanto pelas janelas abertas das casas víamos de passagem nos aparelhos de TV os acontecimentos do “Congresso Nacional”, entre mãos abertas e punhos erguidos completamos a nossa volta pela praça.
Lembro-me de haver vivido algo semelhante há exatos 50 anos, em plena “ditadura militar”. Estar vivendo algo assim tantos anos depois, de forma alguma me traz um sentimento de “tempo perdido”. Ao contrário, apenas renova a certeza de que “eles passam”. E nós estamos e persistimos em “estar aí”, “de mãos abertas e de punho erguido”, ano após ano, década após década, geração após geração! Estamos aqui! Estamos por toda a parte. E estamos juntas e juntos uma vez mais. E mais do que as “sementes crioulas” que eu vi semana passada sendo jogadas nas terras de assentamentos do Sul da Bahia, creio que estamos unidos para semearmos também a coragem da insurgência de uma justa luta e, mais do que tudo, de uma inapagável esperança.
Saibamos crer em nós. Saibamos acreditar em nossa inabalável vocação de revisitar nossas vidas, de clarear nossas mentes, de não nos deixarmos colonizar, de aproximar os nossos corpos, de unir nossos braços, solidarizar nossas vidas, criar nossos destinose seguir adiante. Confiemos em nós. Saibamos varrer de nossas vidas o temor que o sistema tenta colocar em nossos corações, e saibamos viver do que é nosso: a coragem da esperança.
Baruch de Spinoza foi um pensador do século XVII. Judeu de uma família de origem espanhola expulsa para Portugal e, depois, para a Holanda, viveu lá a sua vida como um humilde “polidor de lentes”, e também a de um filósofo livre. Por causa de suas ideias, inclusive a respeito de deus, ele foi excomungado de sua comunidade judaica. É dele a passagem que, por falar sobre a esperança, eu desejo que encerre esta mensagem.

“Um povo livre se guia pela esperança mais do que pelo medo; o que está submetido se guia mais pelo medo do que pela esperança. Um almeja cultivar a sua vida. O outro, suportar o opressor. Ao primeiro eu chamo livre. Ao segundo, chamo servo” (Baruch de Spinoza, Tratado teológico político).

 

Rosa dos Ventos – no Sul de Minas
Carlos Rodrigues Brandão
Quase no fim do ano. Na quadra da Lua Nova

 

Noticias, Posicionamento

Carta de Contagem

Nós, juventudes ecumênicas reunidas no Encontro Nacional “Desafios e possibilidades no cuidado da casa comum” realizado pela Rede Ecumênica da Juventude/REJU e pela Pastoral Popular Luterana/PPL vinculada a da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil/IECLB, entre os dias 12 a 16 de novembro de 2016, emContagem/MG, acreditamos que a oikumene deve expressar os encontros e a convivência entre as diferenças sociais, culturais e religiosas a fim de superar todas as formas de intolerância. Partilhamos, assim, nosso desejo e nossa luta por justiça, igualdade e dignidade a todasas pessoas que habitam essa casa comum tendo em vista a atual conjuntura em nosso país marcada pelo recrudescimento das vi
olações aos mais diversos direitos. Por conta disso, denunciamos:

  • Os casos de desrespeito às pessoas pertencentes às diversas manifestações religiosas e ataques aos seus lugares de culto que acometem principalmente as religiões de matrizes africanas e indígenas;
  • Grupos e setores cristãos que utilizam, de forma descontextualizada e sem diálogo com as diversidades humanas, valores religiosos e narrativas bíblicas para promover um fundamentalismo de cunho político que os permitem disputar e garantir seus lugares em espaços de poder em suas igrejas, na sociedade e nos legislativos e executivos;
  • Às violências contra a pluralidade de identidades de gêneros e sexuais  validadas por uma sociedade patriarcal, machista e misógina;
  • O golpe jurídico-parlamentar cujas decorrentes propostas visam à implementação de politicas motivadas pela sobreposição do interesse na expansão do lucro sobre a dignidade humana e que ameaçam os direitos sociais, humanos, trabalhistas, previdenciários conquistados pela população brasileira com a Constituição de 1988;
  • Às violações do direito à terra e ao território e à soberania alimentar e o genocídio dos povos indígenas, comunidades tradicionais e quilombolas, campesinos e povos das águas, dos campos e das florestas agenciadas pelos setores do agronegócio, grandes latifundiários e pelos grandes empreendimentos;
  • À PEC 55/2016 que propõe o congelamento por 20 anos nos investimentos do governo federal em diversas áreas e políticas sociais – educação, saúde, benefícios sociais, congelamento do salário mínimo – que atingem diretamente as camadas mais pobres da população brasileira;
  • À proposta de Reforma do Ensino Médio conduzida de forma verticalizada e não dialogada com os setores sociais interessados;
  • O Projeto de Lei denominado Escola sem Partido que tramita no legislativo e propõe que as educações básicas e universitárias deixem de ser pautadas pelo contraditório, pelas divergências de ideias, pela pluralidade e diversidade cultural e, o mais grave, pela laicidade do Estado;
  • A criminalização jurídica, política e midiática dos movimentos sociais e das ocupações nas escolas e nas universidades públicas que protestam de forma legítima e democrática contra as medidas propostas pelo governo Temer como a PEC 55/2016;
  • A impunidade do Grupo Samarco (Vale/BHP), do Governo do Estado de Minas Geral e do Governo Federal responsáveis pelo crime ambiental que matou pessoas e destruiu ecossistemas por completo na região do Vale do Rio Doce, evento que completa um ano;
  • O ataque sofrido pela Pastoral da Juventude da Diocese de Itabira/Coronel Fabriciano por grupos católicos que se opõem a perspectiva do diálogo inter-religioso, na ocasião do Dia Nacional da Juventude/DNJ, ocorrido na cidade de Timóteo/MG;
  • Os diversos casos de abuso sexual e de estupro de jovens, crianças e mulheres que atestam a validade da cultura do estupro em nossa sociedade;
  • A retomada de estereótipos sobre as mulheres e seus corpos para deslegitimar sua participação na política confinando-as novamente ao imaginário de belas, recatadas e do lar validando, assim, diversas formas de violência àquelas que ocupam espaços de decisão e de poder na sociedade;

Diante do nosso testemunho público e nossa prática ecumênica contra essas e tantas outras violências que comprometem uma casa comum de vida plena a todas as pessoas, estabelecemos para nossa agenda nacional no biênio 2017/2018 o “Estado laico e superação das intolerâncias” como questão articuladora dos eixos temáticos que pautarão nossas incidências políticas, a saber: Juventudes, Desenvolvimento e Justiça socioambiental; Juventudes, Sexualidades e Lutas feministas; Juventudes e Democratização da educação e Enfrentamento ao Racismo.

Assumimos assim, um lugar de resistência constante diante de formas homogêneas e fundamentalistas de entender e viver a espiritualidade no contexto atual. Esse lugar implica em disputas de sentidos e de práticas no campo político cotidiano. Também significa vivermos maneiras que evidenciem o amor e a justiça que são os imperativos que movem nossa fé plural e diversa e que alimentam nossa caminhada de luta.  Nessa caminhada conjunta nos reencantamos com novas utopias acreditando que as nossas espiritualidades dançantes transcendem os muros institucionais.

Contagem/MG, 23 de Novembro de 2016.
Rede Ecumênica da Juventude – REJU
Pastoral Popular Luterana –PPL

Apoio:
Fundo Ecumênico de Solidariedade, Coordenadoria Ecumênica de Serviço (CESE), Fundação Luterana de Diaconia (FLD), Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (CONIC), Conselho Nacional de Igrejas Cristãs, Minas Gerais, SOS Corpo.

Parceria:
Zwei Arts, Fernanda Scherer Fotografia e Vídeo

Noticias, Notícias gerais

Encontro da articulação da Pastoral Popular Luterana Capixaba

No dia 28 de outubro de 2016, em Colatina-ES se reuniram pessoas voluntárias para planejar “que PPL queremos”; “que PPL podemos. Estiveram presentes o pastor João Paulo Auler, catequista Karin Dieter, catequista Traudi Kraemer, pastor Wonibaldo Rutzen, aluna e aluno da ADL Daniela Bueke Knack, Alan Krüger Prudêncio, pedagogo Gilmar Hollunder, Nilza Francisca Ahnert Schreiber, Serviço Social, presidente da ACESA Cleidiomar Marquart. O encontro iniciou com a leitura das metas elaboradas no último Encontro Nacional e sua 20ª assembleia.

Os presentes puderam falar da PPL desde sua formação, quando foi o seu primeiro contato e em que ela contribuiu para mudanças em sua vida e no grupo social em que vive ou viveu. Foi expresso a preocupação de uma Igreja que saiba de fato colocar em prática ações que de possam incluir o outro e a outra já que foi dada ênfase no Concílio de Brusque-SC. ” Gilmar que faz parte da Coordenação Nacional comentou sobre o grupo “Semeando a Esperança” na ADL existe há três anos. Disse ainda que a atuação do grupo, além dos encontros internos, atua com práticas agroecológicas, horta medicinal e terapias complementares, combate permanente dos agrotóxicos, movimento ecumênico no município local, Educação do Campo. “Só se encontrar sem se comprometer cria estagnação do grupo. Precisa ser fermento na massa para abrir os olhos. Precisa ir além do rito, ir ao encontro da minorias e na defesa dos direitos da grande massa que são os trabalhadores no campo e na cidade”, afirma.

Saímos com duas datas previstas em 2017, uma para novo planejamento e outra para uma Encontro capixaba da PPL agregando as diversas grupos e ações existentes no Sínodo. Com isso, vemos o entusiasmo dos que participaram certos de que seremos” fermento na massa”.

Igreja, Movimentos Sociais, Noticias, Posicionamento

Manifesto da Pastoral Popular Luterana Referente a PEC 241

Pois, assim diz o SENHOR: “Exercei o juízo e a justiça, e livrai o espoliado da mão do opressor; e não oprimais ao estrangeiro, nem ao órfão, nem à viúva; não façais violência, nem derrameis sangue inocente neste lugar” (Jr 22.3).

Estamos diante de um quadro em que vemos delimitado um ataque covarde às conquistas trabalhistas conquistadas a duras penas pela classe trabalhadora e pela população em geral. Sentimos que os direitos das pessoas cidadãs estão sendo usurpados com a desculpa de que a economia precisa crescer. Porém, sabemos que crescimento é algo relativo, se visto sob a ótica do povo trabalhador. Os movimentos populares estão sendo criminalizados e lideranças políticas de esquerda sendo perseguidas em nome de uma pretensa moralidade que não se comprova na prática. A judicialização da política ou a politização do judiciário colocam em risco a nossa já frágil democracia; abalada pelo golpe disfarçado em impeachment da presidenta da República, democraticamente eleita, Dilma Roussef. Este é o quadro atual em que a famigerada ideologia neoliberal mostra todas as suas garras e dentes. Diante desse cenário ficamos indignados com o pacote de maldades contra o povo chamado PEC 241 e, enquanto Pastoral Popular Luterana, protestamos contra o abuso de poder travestido em lei. Nisto, denunciamos a farsa dos argumentos para se legitimar a referida PEC: – Primeiro: diga-se que o Brasil tem reservas cambiais suficientes para enfrentar qualquer crise, sem exigir sacrifícios das pessoas e grupos mais pobres. Na contramão disto, a PEC congela os gastos com investimentos públicos, entre eles saúde e educação; além de reduzi-los drasticamente. – Segundo: o governo toma a opção de não arrecadar mais, deixando de taxar as grandes fortunas e cortando na carne dos trabalhadores. Só o imposto sobre grandes fortunas daria dinheiro de sobra para superar qualquer dificuldade e investir na máquina pública. Contudo, ao retirar e limitar o dinheiro de áreas essenciais para a população (como saúde e educação, etc.), esses recursos passam a ser destinados para pagar os juros extorsivos da dívida; privilegiando os banqueiros e favorecendo a usura que dá suporte às elites. – Terceiro: não há nenhum critério de justiça quando se opta em não cobrar as bilionárias sonegações de impostos, as grandes heranças que não são taxadas e não se arrecada sobre os juros extorsivos praticados pelos bancos. Não se pode falar em justiça social quando os que são mais vulneráveis têm que pagar as contas do luxo e da ostentação das elites dominantes.
– Quarto: é obrigação do governo investir em educação, saúde e assistência social. Aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição que limite os gastos com itens essenciais à sobrevivência dos mais vulneráveis é um gesto covarde para continuar mantendo privilégios. Além de roubar as conquistas sociais alcançadas nos últimos tempos, garantidas por lei. – Quinto: a PEC 241 é não é apenas mais um elemento do golpe realizado pelas elites com o apoio da mídia e do judiciário. Ela coroa a estratégia de empobrecimento da população para gerar mão de obra barata por 20 anos; para que empresas lucrem em cima do povo. Quanto mais fragilizada estiver a população, mais subserviente será. Essa PEC está aliada à entrega do pré-sal, à reforma previdenciária e ao ataque contra os direitos trabalhistas. O objetivo é claro: tornar o povo dependente das migalhas oferecidas pelas elites. – Sexto: o novo regime fiscal e o teto estabelecido para o gasto público são ataques diretos aos direitos cidadãos conquistados na Constituição de 1988. – Sétimo: a PEC 241 compromete as atividades fins do Estado como saúde, educação, moradia, assistência social e segurança. Além disso, ela não versa nada sobre os gastos absurdos com a manutenção das regalias da classe política brasileira e das elites. Além disso, trata-se de uma afronta ao Evangelho de Salvador Jesus Cristo, pois ao negar de comer, de beber, de vestir, de cuidar da saúde, de cuidar dos presos (segurança) – conforme está escrito em Mateus 25.35-41– nega-se a dignidade da vida abundante (Cf. João 10.10) aos mais pobres que são os que mais vão sofrer com as medidas cruéis e desumanas deste pacote de maldades que é a Proposta de Emenda Constitucional 241.
Javé, o Deus da nossa justiça (Jeremias 23.6), julgará aqueles que atentam contra a causa do Reino, maltratando e explorando o seu povo. Diante deste cenário não podemos nos omitir enquanto pessoas cristãs. Assim sendo, nos solidarizamos com a classe trabalhadora e com os movimentos populares contra o golpe que atinge a nação brasileira e apoiamos as lutas populares para a superação dessa situação injusta e sonegadora de direitos.

Pastoral Popular Luterana – PPL

Palmitos,SC, outubro de 2016

Movimentos Sociais, Noticias, Notícias gerais

1ª ROMARIA DOS MÁRTIRES DA CAMINHADA NA ADL “PROFETAS DO REINO”

“Presente na Caminhada!”, esta foi a frase que embalou um grupo de pessoas na noite de 23 de setembro de 2016 em Serra Pelada. A Romaria teve seu início no pátio da ADL onde um grupo de alunas representando os povos indígenas, afrodescendentes, pomerana camponesa e povos das águas. Trouxeram de dentro da capela uma cruz carregada nos ombros. A fogueira por elas acesa, aqueceu nossos ânimos para lembrar da luta e morte daqueles e daquelas que doaram suas vidas pelas causas populares. Irmã diaconisa Doraci, Pastor Dietrich Bonhoeffer são pessoas que deram exemplo máximo de luta, bem como o biólogo Paulo Vinhas, Pe Gabriel perderam suas vidas em solo capixaba, Chico Mendes e Ir. Doroth pelos povos da floresta dentre outros. A caminha teve um percurso de 1 km aproximadamente em direção ao interior, às 22:30. Estiveram presentes o Pe Marcio Ghil, dois estudantes da EST João e Henrique, Diones pelo movimento ecumênico e os demais os jovens alunos e educadores sociais da ADL militantes da PPL.